logo-mult

Inteligência Artificial na Prática

Inteligência Artificial na Prática

Inteligência Artificial na Prática

A gente já sabe que a inteligência artificial está baseada no estudo de muitos dados, de muitas informações, mas a dificuldade
que a gente tem às vezes é de que ele “OK, eu entendi o que é isso, mas como isso se aplica na prática”?
Como os meus problemas corporativos podem ser revistos, podem ser reanalisados no olhar da
inteligência artificial? Então isso é uma das coisas que nós vamos falar hoje.

 

Nós fazemos sistemas há anos, e esses sistemas são programados para fazer, uma, duas, dez funcionalidades, dez
características, dez features e quando a gente termina essa aplicação, ela vai fazer aquelas dez pra sempre, sempre igual, sempre daquele jeito, e se a gente quiser que aquela feature modifique o que a gente faz? A gente reescreve um pedaço do código, reescreve um pedaço da aplicação.

 

Se essa aplicação utiliza uma inteligência artificial eu posso fazer o que? Treinar a inteligência artificial pra ela aprender novas coisas, eu posso treinar a inteligência artificial para ela novas características daquela coisa que
ela faz.

 

É como se você tivesse uma pessoa, uma recepcionista que vai ser treinada para
atender pessoas no teu front desk da sua empresa, uma das primeiras coisas que você faz é
instruir essa pessoa de como ela vai atender, a segunda coisa é colocar ela do lado de alguém que conheça bem essa
operação para que possa instrui-la aos poucos e fazer pequenas correções. Depois, provavelmente, você vai deixar essa
pessoa lá por um tempo mas vai ficar talvez no backoffice dizendo “Olha se você tiver alguma
dúvida você vem aqui que eu te explico”, até a hora que essa pessoa está com capacidade o
suficiente para fazer operação sem te perguntar nada ou talvez te perguntando muito poucas coisas.

 

Esse tipo de aprendizado a gente chama de aprendizado assistido por que toda a
inteligência artificial, se tiver dúvida, nós vamos instruí-la a se comportar da
forma que nós queremos.

 

Existe um outro tipo de aprendizado que é um aprendizado mais
automatizado em situações por exemplo em que a inteligência toma uma decisão
ou dá uma resposta e o usuário classifica se essa é uma boa resposta, uma resposta
mediana ou uma resposta ruim, e, a partir da resposta, do feedback dos usuários
finais, a inteligência artificial começa a entender que aquela foi uma boa resposta,
talvez não tenha sido uma resposta tão boa e assim que o aprendizado vai seguindo.

 

Outra possibilidade que a gente usa cotidianamente e não percebe talvez, nos
aplicativos de trânsito que a gente utiliza é a capacidade de falar através de uma
informação que tá numa base de dados, uma informação está dentro de um sistema,
você falar isso para o usuário. O fato de ouvir e falar, de ouvir e
responder dá ao usuário uma experiência nova de similaridade com um humano, é por
isso que a gente usa mais esse tipo de funcionalidade com assistentes virtuais.

 

Outra característica interessante que a gente tem na inteligência artificial mas aqui mais ligado ao campo da
inteligência de negócio, que nós citamos num vídeo nosso sobre inteligência de negócio, é o uso
da inteligência artificial para fazer análises preditivas e análises prescritivas.

 

A análise preditiva é um típico exemplo do reconhecimento de padrões, imagine a cena que você cortou dados
de muitas informações, de muitas repetições, de processo de vendas, por exemplo, com
muitas características, e a partir de um estudo usando a inteligência artificial
você consegue identificar certos padrões. Quando uma nova situação ocorrer,
baseado nesse padrão, a análise preditiva poderá dizer para você o que ela acha
que vai acontecer, “Olha, com base nos estudos com todos os dados que você teve,
os processos de venda, de orçamento, monte de informações, a chance desse cliente
fechar com a proposta é de 15%, ou é de 80%”.

 

Todos os exemplos que eu dei agora não são exemplos futuristas, são exemplos que nós ,por
exemplo, conseguimos colocar em nossas aplicações hoje mesmo, algumas delas nós
já temos em aplicações nossas, então você vai ver coisas, talvez, na
internet que podem lhe dar a impressão de um mundo no futuro maravilhoso e que já estão na alcance das mãos.

 

Então fica muito difícil de imaginar como é que começam um projeto de
inteligência artificial ,”Ai meu deus vou ter que conhecer sobre reconhecimento de padrões,
vou ter que conhecer sobre análise preditiva”, não, você não precisa conhecer nada sobre essas coisas, você
precisa conversar com alguém que tenha essa visão, que tenha acesso a essas
informações, que tenha acesso a essas tecnologias.

 

Você dividindo os seus problemas corporativos com quem tem essa visão, talvez ele possa
ajudar você, saber onde empregar aqui e ali, combinando tecnologias novas com tecnologias
mais tradicionais e de repente consegue dar uma visão nova e uma solução quem sabe definiva
pros problemas corporativos que você possa ter.

O que você procura?